Maioria dos usuários do Facebook são inseguros, narcisistas e têm baixa autoestima.

Usar o Facebook é o equivalente ao se olhar no espelho onlineUsar o Facebook é o equivalente online de se olhar ao espelho, de acordo com o estudo.

As pessoas que passam mais tempo atualizando seu perfil no site da rede social são mais susceptíveis a serem narcisistas, dizem os pesquisadores.

O Facebook oferece um cenário ideal para que narcisistas acompanhem sua “imagem” e quantos “amigos” eles têm, diz o estudo, assim como os permitem ser bem sucedidos em relacionamentos “superficiais” evitando o contato direto e a empatia.

Pessoas que constantemente checam seu Facebook, sofrem por falta de autoestima. Também tendem a usar o site para se autopromover perante seus amigos ou pessoas que gostariam de conhecer.

A pesquisadora Soraya Mehdizadeh da York University no Canadá, pesquisou 100 estudantes – 50 homens e 50 mulheres – com idade entre 18  e 25 anos sobre seus hábitos no Facebook.

Todos eles foram submetidos a testes psicológicos para avaliar o nível de narcisismo, que o estudo definiu como “um padrão invasivo de grandiosidade, necessidade de admiração e um exagerado senso de auto-importância.”

Aqueles com pontuações mais altas no teste, costumavam checar seu perfil no Facebook com mais frequência todos os dias do que aqueles que cujos pontos foram menores.

Há também diferenças entre homens e mulheres – homens geralmente promovem a si mesmos escrevendo posts em seu perfil, atualizando seu status, enquanto as mulheres tendem a selecionar cuidadosamente suas fotos.

Os resultados, publicados no jornal Cyberpsychology, Behaviour And Social Networking, também sugere que aqueles com baixa autoestima checam seus perfis mais regularmente que o normal.

Isso pode não ser de todo surpreendente, pois se acredita, por mais contraditório que possa parecer, que o narcisismo é ligado a uma falta profunda de autoestima.

Soraya Mehdizadeh admite que nem todos gostarão de suas descobertas: “Eu acho que as pessoas vão ficar um pouco defensivas quanto a isso – como por exemplo, ‘Eu não uso meu Facebook por esse motivo’ – pois é um rótulo que ninguém quer encarar”, disse ela.

O Facebook tem mais de 500 milhões de usuários no mundo todo e é a maior rede social existente, mas tem se envolvido numa série de controvérsias.

Uma pesquisa apresentada por Larry Rosen, em palestra durante a 119ª Convenção Anual da Associação Americana de Psicologia, também mostra que as distrações oferecidas por uma das maiores redes sociais do mundo podem afetar o aprendizado dos jovens, o que resultaria em notas 20 por cento mais baixas em relação aos não-usuários.

Outro estudo realizado por pesquisadores da Western Illinois University (EUA) estudaram os hábitos de 294 estudantes, com idade entre 18 e 65 anos e mediram dois elementos do narcisismo “socialmente disruptivos” – exibicionismo grandioso (EG) e exploração/manipulação (EM).

EG inclui “auto-absorção, vaidade, superioridade e tendências exibicionistas” e as pessoas que tiveram alta pontuação nesse aspecto de narcisismo precisam ser constantemente o centro das atenções. Essas pessoas publicam coisas chocantes e inapropriadas sobre si mesmos mais frequentemente, pois não aceitam ser ignoradas ou perder a chance da autopromoção.

EM inclui “o sentido de ser merecedor de respeito e vontade de manipular e obter vantagens sobre os outros”.

A pesquisa mostrou que quanto maior a pontuação no aspecto EG, maior o número de amigos eles tinham no Facebook, a maioria superior a 800.

Aqueles que pontuaram mais em EG e EM eram mais propensos a aceitar pedidos de amizade de estranhos.

Pessoas que tiveram pontuações altas no Inventário de Personalidade Narcisista (NPI na sigla em inglês) tem mais amigos no Facebook, marcam-se e citam-se mais vezes e atualizam seus perfis mais regularmente.

A pesquisa vem de encontro à crescente evidência que as pessoas mais jovens estão se tornando cada vez mais narcisistas, obcecados pela auto-imagem e amizades superficiais.

O último estudo, publicado pelo jornal Personality and Individual Diferences, também aponta que os narcisistas responderam mais agressivamente a comentários depreciativos feitos sobre eles na rede social e trocam suas imagens de perfil mais frequentemente.

Dr. Viv Vignoles, conferencista sênior em psicologia social da Sussex University disse que a natureza correlacional do estudo mais recente significava que era difícil ter certeza se as diferenças individuais do narcisismo leva a certo padrão de comportamento no Facebook, se os padrões de comportamento no Facebook leva a diferenças individuais do narcisismo, ou um pouco de ambos.

Christopher Carpenter, responsável pelo estudo disse: “No geral, o ‘lado negro’ do Facebook requer mais pesquisas para compreender melhor os aspectos benéficos e prejudiciais da rede social.”

“Se o Facebook é um lugar que as pessoas vão para reparar um ego danificado e procuram apoio social, é de vital importância descobrir a comunicação potencialmente negativa que se pode encontrar na rede e os tipos de pessoas que provavelmente vão se relacionar com elas.”

Fonte: MailOnline e The Guardian

Anúncios

7 comentários sobre “Maioria dos usuários do Facebook são inseguros, narcisistas e têm baixa autoestima.

  1. discordo da pesquisa,talvez os pesquisadores é que estão se refletindo no Face e transferem suas frustrações para os outros…..As pessoas equilibradas,tem senso do ridículo.Portanto pesquisa que não seja mundial com 7 bilhões de pessoas não é válida……Isso chama-se AMOSTRAGEM – ESTUDEI NA PÓS/GRADUAÇÃO EM SOCIEDADE EM MUDANÇA/GLOBALIZAÇÃO/POLÍTICA INTERNACIONAL/ANTROPOLOGIA/FILOSOFIA ÉTICA/SEMIOLOGIA/MATKETING/NEUROLINGUÍSTICA///////Ó TURMA,POR FAVOR ARRUMEM SERVIÇO PARA FAZER E PAREM DE BABOSEIRAS DISSO E DAQUILO…..ESTUDEM SOBRE RACISMO E PRECONCEITO NO – USA – E NA EUROPA – CHEGA DE BABOSEIRA,ISSO É FALTA DO QUE FAZER – ALIÁS VAÕ ESTUDAR A ÁFRICA,PRECISA DE MUITO AUXÍLIO,ELES ESTÃO ESQUECIDOS E DOENTES,VÁRIAS REGIÕES,,,,,,,,- USA – E ONU – TRATEM A ÁFRICA COM MAIS RESPEITO E NÃO ROUBEM SUAS RIQUEZAS.

    • Tem toda essa graduação e veio aqui ler essa notícia sobre o facebook? rsrs Vc não tinha nada o que fazer? Aaah tá…estava no intervalo, veio tomar um café!!! Vc deveria ter deixado um link da sua página sobre o racismo e preconceito, sinceramente gostaria de ler.

  2. pois é… sou usuário do facebook e sou um frustrado. fracassei em todos os aspectos da minha vida: amorosa, profissional, acadêmica e social.

  3. Comentei isso ha pouco com uma amiga , como as pessoas tem a necessidade tem “competição” indireta , e como o narcisismo se mostra comum nas redes sociais , concordo com cada palavra desta publicação !

  4. Pesquisas e análises são muitas e cada um interpreta como quer os resultados. Eu quero ressaltar aqui outro aspecto do texto, relativamente bem traduzido e escrito, mas com alguns erros graves de Português que, para alguém menos informado sobre a língua culta, poderiam até mudar o sentido das orações.

    A confusão entre os pronomes átonos “o(s)”, “a(s)” ou “lhe(s)” é muito comum atualmente. Na frase “O Facebook oferece um cenário ideal para que narcisistas acompanhem sua “imagem” e quantos “amigos” eles têm, diz o estudo, assim como os permitem ser bem sucedidos em relacionamentos…” o correto é “lhes permitem”, pois permitir é um verbo transitivo direto indireto.

    Na frase “A pesquisa vem de encontro à crescente evidência que as pessoas mais jovens…” o correto é “A pesquisa vem ao encontro da crescente evidência de que as pessoas mais jovens…”. Ir “de encontro a” significa oposição, ao passo que “ao encontro de” significa concordância. Na mesma frase deve-se incluir a preposição “de” após o substantivo “evidência”.

    Por último, faltou concordância nas orações “era difícil ter certeza se as diferenças individuais do narcisismo leva a certo padrão de comportamento no Facebook, se os padrões de comportamento no Facebook leva a diferenças individuais do narcisismo…”. O verbo deve concordar com o sujeito, que neste caso são “as diferenças individuais do narcisismo” e “os padrões de comportamento no Facebook”, ambos no plural. Portanto o verbo “levar” deveria estar no plural (levam) em ambas as orações.

    Abraços.

Gostou? Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s